sábado, 11 de agosto de 2012

Conheça a História de Just Fontaine o maior artilheiro de uma única copa




Se você gosta de relembrar grandes momentos do futebol, você veio ao lugar certo, hoje damos início a esse novo espaço do blog Pontapé inicial onde você vai acompanhar a história do seu ídolo e de grande times e seleções que tiveram uma importância do mundo da bola e até hoje são lembrados, espero que você gostem.
Agradeço desde de então ao meu grande amigo Ronald Pinheiro que é o novo integrante do nosso blog Pontapé inicial, onde ficara responsável pelas divulgações ao nosso acervo futebolístico

Nosso primeiro homenageado será o atacante Just Fontaine

Sempre que a imprensa lembra de maior artilheiros em Copas do Mundo, é ou são exaltados os nomes dos alemães Gerd Müller e Miroslav Klose.O brasileiro Ronaldo Nazário, o Fenômeno, é tido como o maior até os dias de hoje. Mas ressalto o fato de estes ditos grandes atletas perfizeram um total de cerca de 15 ou mais gols, mas, somadas, 2, 3 e até 4 Copas do Mundo de Futebol da FIFA.

No entanto, raramente é lembrado o que foi artilheiro em uma única 
Copa do Mundo, com os 13 gols marcados na Copa da Suécia, em 1958.Um dos mais importantes jogadores da história do futebol francês - homenageado pela FFF em 2005 como o maior futebolista francês dos últimos 50 anos.

Fenomenal, Fontaine, fez parte de uma seleção francesa, ainda no tempo do futebol solto e romântico, mas que encantou o mundo ao lado de Kopa.Fontaine começou sua carreira profissional no 
Casablanca, onde debutou em 1950. Em 1952, após faturar a liga marroquina, ajudou o clube a ganhar a Copa dos Campeões do Norte da África (extinto torneio entre os campeões das colônias francesas do Marrocos, Argélia eTunísia), chamando a atenção de clubes da Metrópole.

Em 
1956, após conseguir o campeonato francês pelo Nice, ele se mudou para o Reims para substituir o ídolo local Raymond Kopa, que havia ido para o Real Madrid. Fontaine marcaria 121 gols em 6 temporadas no Reims, ganhando e sendo artilheiro da Division 1 (atual Ligue 1) de 1958, ano em que levantou também a Copa da França, e 1960. O título francês de 1958 possibilitou ao Reims disputar novamente a Taça dos Campeões Europeus (atual UEFA Champions League), torneio do qual o clube fora vice-campeão dois anos antes para o Real Madrid (que naquela final descobrira o potencial de Kopa e decidiria levá-lo).

Vestindo a camisa azul da 
França, as estatísticas de Fontaine foram ainda mais impressionantes. Em sua estreia com o time, em 17 de Dezembro de 1953, marcou um gol de chapéu numa vitória esmagadora de 8-0 sobre a Seleção de Luxemburgo. O jogo era o último válido pelas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1954, mas o jovem acabou não convocado

Nas Eliminatórias para a 
Copa do Mundo de 1958, a situação inverteu-se: Fontaine não foi utilizado, mas foi convocado para o mundial. 



Nos gramados suecos, na WC FIFA em 1958, assinalou 13 gols, sendo até hoje, o maior artilheiro em todas as Copas, levando em conta, uma só edição da mesma.


Ao todo, foram espantosos 30 gols em 21 partidas pela França. Fontaine ainda superou notáveis jogadores como 
Michel Platini e Zinédine Zidane em 2004, quando foi eleito o melhor jogador francês dos cinquenta anos da UEFA, nos prêmios do jubileu da entidade. Curiosamente, assim como eles e como seus contemporâneos Roger Piantoni e Raymond Kopa, Fontaine tem sangue estrangeiro: é filho de mãe espanhola. com um francês.


Fontaine tornou-se presidente do sindicato dos jogadores da França, brigando por garantias e contratos maiores para a classe. Ao contrário dos jogadores franceses, 
Pelé provavelmente não guarda referências tão boas da pessoa de Fontaine: dois anos depois do duelo na semifinal da Copa de 1958, ambos se reencontraram em excursão europeia do Santos em 1960, já após Fontaine ter sofrido a fratura que interromperia sua carreira.


Just Fontaine lenda, literalmente, viva do futebol mundial, hoje com seus 79 anos de idade.Fontaine tinha como maiores características sua velocidade, dribles curtos, chutes certeiros e, embora não fosse um jogador muito alto, um ótimo cabeceio.

2 comentários:

Raniery Medeiros disse...

Confesso que só ouvi do meu avô as histórias do Francês na copa do mundo (1958).
Não tenho tanto conhecimento pra falar sobre a carreira dele.
Mas fazer 13 gols em uma mesma edição não é pra qualquer um.

Só foi parado pelo Brasil. E mesmo assim deixou a sua marca na derota de 5x2.

Bela inciativa em relembrar os ídolos do passado.

11 de agosto de 2012 19:03
PontaPé inicial disse...

Obrigado mais uma vez pela sua visita Raniery.

12 de agosto de 2012 05:51

Postar um comentário