sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Adeus Felix





Quem não se lembra da seleção de 1970 tri mundial no México  onde tínhamos grandes craques em campo vestindo a amarelinha Pelé, Tostão, Rivelino, Carlos Alberto , Jairzinho, realmente valia a pena acompanhar uma copa do mundo naquela época onde os jogadores valorizavam a pátria e jogavam com amor, mais um jogador em especial contribuiu para a conquista ao título, o grande goleiro Félix apelidado por muito de papel por ser magro e leve, infelizmente na manha dessa sexta feira o futebol amanheceu de luto aos 74 anos Félix acabou falecendo por problemas respiratórios , e o nós do Blog PontaPé inicial não poderíamos deixar de fazer uma homenagem a esse grande jogador.
Felix Miéli Venerando nasceu em São Paulo no dia 24 de dezembro de 1937, aos 15 anos começou sua carreira nas divisões de base no Nacional-SP, onde se profissionalizou no Juventus-SP onde ficou até 1955 onde foi contratado pela Portuguesa mais sua estreia veio acontecer em 1956 no Rio –São Paulo, em 1957 Félix foi campeão pela Portuguesa  depois foi emprestado novamente ao Nacional-SP.
Em 1960 Félix retornou a Portuguesa e foi titular de 1961-1963.
Em 1964 a 1968 com a chegada de Orlando vindo do São Cristovão Félix revezou a titularidade, a Portuguesa na época foi convidada para um amistoso contra o Massachusetts em Nova Iorque , o jogo estava tão fácil pois o placar estava 9-0 e  Félix decidiu jogar no ataque onde acabou marcando um gol  a partida acabou com o placar de 12-1.
No dia 22 de novembro de 1965 Félix estreou pela Seleção Brasileira onde venceu por 5-3 frente a Hungria.
Em 1967 Félix disputou a Copa Montevidéu no Uruguai, em 1968 encerra –se o ciclo na Lusa, onde acabou sendo vendido para o Fluminense  e no tricolor das Laranjeiras conquistou 4 títulos carioca ( 1969, 1971, 1973 e 1975), além de campeão da Taça de Prata em 1970.
Félix jogou no Fluminense até 1976, quando resolveu encerrar sua carreira no dia 23 de janeiro, após o diagnóstico de uma calcificação de 7 cm no ombro direito.
Pela Seleção Brasileira, Félix disputou 48 partidas, conquistando o bicampeonato da Copa Rio Branco em 1967 e 1968 e o tricampeonato mundial pela Seleção na Copa do Mundo de 70.
No ano de 1982 Félix foi técnico do Avaí Futebol Clube de Florianópolis. Atuou como tal por 18 jogos obtendo 6 vitórias 4 empates e 8 derrotas pelo Leão da Ilha da Magia.
Depois que encerrou sua carreira futebolística, Félix foi diretor comercial de uma empresa cujo proprietário era seu genro, casado com Lígia, uma das três filhas. Atualmente coordena uma escolinha de futebol comunitária, voltada para as crianças carentes, além de passar sua experiência dentro e fora dos gramados, em palestras para empresas e faculdades. Em 2007, assumiu o cargo de diretor-técnico da Inter de Limeira, que disputou a Série A-2 do Campeonato Paulista, tendo passado antes em Categorias de Base de alguns clubes e ter se aposentado como preparador de goleiros do Fluminense ainda em 1977, onde ficou ainda até 1980.
Descanse em paz Felix e obrigado por um dia você ter  vestido a amarelinha  e  honrado as cores do nosso país, você sempre por aqueles que realmente apreciam o futebol .

1 comentários:

Raniery Medeiros disse...

Que descanse em paz!

Brasileiro é uma m***

O Barbosa viver e morreu com o sentimento de culpa pela copa de 50 por mais de 30 anos. Mais que a pena máxima em nosso país.

O Felix foi um injustiçado.
Na seleção de craques, ele não teve o seu valor reconhecido pelo título em 1970.
No jogo mais difícil da copa, contra a Inglaterra, atual campeã mundial, o nosso arqueiro fez uma das mais belas defesas já presenciadas. No entanto, foi ofuscada, no mesmo jogo, pela defesa de Gordon Banks na cabeçada de Pelé.

Não era um prímor de goleiro. Mas era pontual e importante.
Muitos satirizam e só lembram os gols sofridos.
Será que, assim como Barbosa, 'prendemos' mais um ídolo do nosso esporte?

Prefiro ficar com as belas defesas que ele nos deixou.

26 de agosto de 2012 23:53

Postar um comentário